domingo, 19 de setembro de 2021

free guy: herói improvável

 

[ bom ]

título original. free guy.

género. aventura. comédia.
duração. 1h 55min
ano.
 2021

realização. shawn levy.
argumento. matt lieberman. zak penn.

protagonistas. ryan reynolds. jodie comer. taika waititi. joe keery.
sinopse. um empregado de um banco descobre que é um figurante num videojogo, e decide tornar-se o herói da sua própria história. [imdb]
 
---

free guy: herói improvável foi criado pelos mesmos estúdios que produziram deadpool. isso e a sinopse (acima) dizem tudo.


desde o início, o filme é uma montanha-russa: diálogos engraçados debitados por um elenco competente, cenários dinâmicos e coloridos, 1001 referências ao mundo dos videojogos e à sua plataforma principal (twitch), com várias cenas hilariantes e comentários mordazes à cultura social media.
 
 
será um filme melhor apreciado por quem esteja dentro do mundo dos videojogos online que são mencionados (gta; fortnite; payday), mas mesmo quem vá "às escuras", por assim dizer, pode desfrutar de um argumento que valoriza a individualidade pessoal e o desejo de ser feliz.

também não há como falhar as referências ao universo marvel (hulk; capitão américa) e à saga star wars.

 
sair do cinema depois de ver free guy: herói improvável equivale a sair bem disposto e com um pouco mais de fé nas relações humanas. 

»»»
. hey, i'm here with my best friend, trying to help him through a tough time. if that ain't real, i don't know what is .
»»»

domingo, 5 de setembro de 2021

os estranhos: predadores da noite

 

[ razoável ]

título original. the strangers: prey at night.

género. terror. thriller.
duração. 1h 25min
ano.
 2018

realização. johannes roberts.
argumento. bryan bertino. ben ketai.

protagonistas. christina hendricks. martin henderson. bailee madison. damian maffei.
sinopse. uma família de férias num local isolado, é perseguida e atacada por três mascarados. [imdb]
 
---

dez anos após os estranhos, surge esta sequela, escrita pelo mesmo argumentista, mantendo os antagonistas e o tema [de violência aleatória].

 
o ritmo lento era um trunfo do filme original, um trunfo que a sequela preferiu não manter; perdeu com isso.
 
onde o primeiro filme era contido e mantinha uma tensão constante, os estranhos: predadores da noite cedo mergulha na violência gratuita.
 
 
a premissa é suficientemente credível, as personagens não. para justificar a acção, fazem tantas tolices num contexto de sobrevivência (deixam telemóveis para trás, separam-se uns dos outros, ignoram armas que poderiam usar para se defender) que acaba por ser secundário se vão safar-se ou não.
 
a não ser que a ideia seja mostrar o que não fazer numa situação de desespero - perder a cabeça e ser cada um por si -, o que faz avançar o enredo é uma sucessão de más escolhas. como nos filmes de terror mais básicos e para esquecer, o elenco principal é apenas carne para canhão. 
 
e... é chato - apesar de não chegar a hora e meia.


a única coisa que salva o filme é o uso da banda sonora (vários êxitos dos anos 80), uma cena original (um confronto na piscina com um mega hit de bonnie tyler como música de fundo) e as referências a clássicos do terror,  numa homenagem a cenas icónicas de gritos, massacre no texas, halloween e christine - o carro assassino.
 
os estranhos: predadores da noite confirma a regra sendo uma sequela decepcionante.

»»»
. why are you doing this?
. why not ?

»»»

domingo, 22 de agosto de 2021

chernobyl

 

 [ fenomenal ]

título original. chernobyl.
género. drama histórico.
episódios. 5 (330 minutos)
ano.
2019

realização. johan renck.
argumento. craig mazin.
protagonistas. jared harris. stellan skarsgard. emily watson. jessie buckley. paul ritter.
sinopse. abril de 1986. a explosão de um dos reactores da usina nuclear de chernobyl torna-se uma das maiores catástrofes da história. [imdb]

---
 

esta mini-série televisiva tornou-se uma das mais premiadas e conceituadas séries de sempre. em cinco episódios, conta a história de um dos piores desastres nucleares: em 1986, numa ucrânia sob domínio soviético, explodia um reactor nuclear em chernobyl. 
 
a nuvem radioactiva que se formou, equivalente a 500 bombas de hiroshima, estendeu-se até à rússia, bielorússia e vários países do norte da europa.


chernobyl é uma série fenomenal, que nos avassala enquanto a vemos e fica connosco por muito tempo após o visionamento... e é assim que deve ser, ainda mais num desastre desta magnitude. 
 
é uma dramatização mais assustadora do que muitos filmes de terror, e hoje, mais de três décadas passadas, permanece na memória de milhares de nós. 
 
pessoalmente, lembro-me, em miúda, de ter visto documentários sobre o efeito da radiação nas áreas em volta, nomeadamente as deformações físicas nas populações e o efeito nos ecossistemas - são imagens que ficaram.


a série começa como a dramatização de um desastre nuclear para depois mergulhar a fundo na forma como a máquina governamental soviética escolheu lidar com a situação e como terão sido tomadas as decisões.
 
esta é uma série americana e os estados unidos têm uma longa história de conflito com a rússia. várias cenas e diálogos serão, sem dúvida, reflexo disso, mas creio que é aconselhável que o grãozinho de sal do lado do espectador seja q.b.


apesar de fenomenal, chernobyl não é o tipo de série para se ver de enfiada.
 
no final, fica em nós um silêncio pesadíssimo, imposto pelos milhares de vidas humanas sacrificadas - uma parte voluntariamente.
 
entre várias notas finais, num segmento de alguns minutos após o final do último episódio, ficam na memória os números oficiais (e actuais) russos da tragédia de chernobyl: 31 pessoas, todas mortas na altura da explosão do reactor, sendo que os milhares de pessoas afectadas pela radiação não foram contabilizadas como vítimas da catástrofe.

»»»
. what is the cost of lies ?
»»»


domingo, 8 de agosto de 2021

vai seguir-te

[ muito bom ]

título original. it follows.

género. terror. thriller. mistério.
duração. 1h 40min
ano.
 2014

realização e argumento. david robert mitchell.

protagonistas. maika monroe. keir gilchrist. olivia luccardi. daniel zovatto.
sinopse. uma jovem é perseguida por uma entidade sobrenatural depois de fazer sexo. [imdb]
 
---

vai seguir-te foi um dos filmes-sensação de 2015, aclamado pela crítica aquando da sua exibição no festival de cannes.


vi-o recentemente. é um filme muito particular, visualmente muito rico, aberto a interpretações, e... de uma qualidade inegável.

jay tem 19 anos e tem saído com um rapaz de quem gosta. na primeira (e única) vez em que têm sexo, ele avisa-a que a partir desse momento, ela vai ser seguida por uma entidade que vai tentar matá-la. a única forma de se livrar da maldição é passá-la a outra pessoa... depois de terem sexo.
 

o tema mais óbvio do filme seria o de avisar dos perigos do sexo casual e dos problemas que daí advêm, nomeadamente promiscuidade e doenças [sexualmente transmissíveis].
 
felizmente, não é assim tão linear, embora essa explicação já o tornasse um filme interessante se a temática fosse apenas essa.
 

o realizador (e argumentista) diz que a ideia do filme veio de um sonho recorrente de quando era criança, onde era seguido por estranhos.
 
ao longo de hora e meia, seguimos jay e o grupo de adolescentes que a tentam apoiar como podem de uma ameaça que não vêem, e a ajudam a escapar à maldição levando-a para uma casa isolada. uma das raparigas cita frequentemente passagens de clássicos da literatura, dando pistas ao espectador sobre os temas principais do filme.


a tensão (nem sempre sexual, longe disso!) está presente em todo o filme, desde a velhinha ao gigante assustador que perseguem jay.  
 
a cinematografia é excelente. todo o visual do filme, os cenários e adereços que não permitem ligar o filme a uma década específica, tornam-no mais universal, ao mesmo tempo que permite um ponto de vista mais intimista, a anos-luz do cinema comercial mas não alienando o espectador pouco habituado (ou simpatizante) do cinema de autor.

destaque ainda para a banda sonora: espectacular.

vai seguir-te fica na retina e os seus temas tocam-nos a todos. um filme invulgarmente muito bom.

»»»
. it could look like someone you know or it could be a stranger in a crowd. whatever helps it get close to you .
»»»


sexta-feira, 16 de julho de 2021

hóspede indesejado (netflix)

 

[ muito bom ]

título original. his house.

género. terror. thriller.
duração. 1h 33min
ano.
 2020

realização e argumento. remi weeks.

protagonistas. sope dirisu. wunmi mosaku. matt smith. malaika wakoli-abigaba.
sinopse. um casal de refugiados sudaneses tenta adaptar-se a uma vida nova em inglaterra, mas não são só os fantasmas da guerra que parecem assombrar os seus dias. [imdb]
 
---

hóspede indesejado é um filme surpreendente. já há alguns anos que evito ver trailers mas só pela sinopse pensei que já sabia ao que ia; foi uma boa surpresa. 

retomando a temática, já muito explorada, dos requerentes de asilo, a dinâmica do casal de sudaneses é credível, com ele a tentar adaptar-se a uma nova cultura e ela ainda muito ligada às suas raízes. ambos são assombrados pelo que passaram, viram e escolheram.



sentimos o que as personagens sentem e acompanhamo-los ao longo da viagem física e espiritual. o sentimento de alienação cria empatia sem lamechices.
 
o argumento é muito bom e distrai-nos com aquilo que pensamos ser o decorrer de um filme de terror já algo (re)visto, para depois dar uma reviravolta que resulta em todos os aspectos.



há um pequeno papel por matt smith (the crown), que é a cara mais conhecida do elenco, mas os dois protagonistas são as estrelas e suportam o filme com segurança. as interpretações são mesmo muito boas, principalmente a de sope dirisu como bol.

a tensão está presente em todo o filme, desde a secura administrativa do pedido de asilo até ao quotidiano do casal numa vizinhança hostil.

hóspede indesejado é uma experiência emocional muito rica: o filme leva-nos por cenas de tristeza, desespero, amor e esperança. o final não desilude.

»»»
. your ghosts follow you. they never leave. they live with you. it's when i let them in, i could start to face myself .
»»»

quarta-feira, 2 de junho de 2021

lobo

 

[ muito bom ]


título original. wolf.

género. drama. terror.
duração. 2h 5min
ano.
1994

realização. mike nichols.
argumento.
jim harrison. wesley strick.


protagonistas. jack nicholson. michelle pfeiffer. james spader. christopher plummer. richard jenkins. david hyde pierce.
sinopse. um homem de meia-idade transforma-se num lobisomem enquanto luta para manter o emprego. [imdb]
 
---

wolf não é um filme de lobisomens tradicional, ao ponto de muitos não o classificarem como um filme de lobisomens sequer.
 
afinal, o que faria jack nicholson como protagonista de um filme sobrenatural? e mike nichols como realizador?
 
a força de wolf está no elenco, cheio de actores conceituados (nicholson, plummer, pfeiffer, spader), e na forma como o tema é trabalhado. will randall é um editor respeitado pelos autores que representa; mas é "old school" e isso é visto como uma desvantagem, por isso é substituído por um tipo mais novo, o seu "protegido", um duas-caras com ares de sonso.

é melhor não dar festas até saber se morde...


ao mesmo tempo, will começa a notar algumas diferenças de comportamento, que se intensificam dias após ser mordido por um lobo. 
 
à medida que will ganha cada vez mais traços de lobo, mais assertivo e combativo se torna, usando-os para lutar pelo seu emprego e dar um "chega p'ra lá" a pessoas que não lhe querem bem, com a camada de verniz civilizacional a dar lugar a um instinto primário de auto-preservação
 
pizza a esta hora?!


como fã de filmes de terror, quando vi wolf nos anos 90, não apreciei o filme tanto como o aprecio agora. achei que faltava acção e componentes de terror. 
 
quase 30 anos depois, dá gosto ver que wolf mantém a frescura na forma como satiriza as dinâmicas do mundo profissional e o sistema capitalista, numa mistura bem sucedida de comentário social e terror, usando a transformação em lobisomem do protagonista como uma metáfora para a crise de meia idade masculina. 
 
jack nicholson e james spader têm interpretações excelentes. michelle pfeifer tem uma prestação mais apagada mas o final é centrado na sua personagem e deixa no ar algumas questões interessantes.

100 anos? só se pôs botox!


é um tipo diferente de terror, com um argumento inteligente e um elenco de sonho. os efeitos especiais são usados com parcimónia e houve uma grande aposta em próteses, lentes de contacto e maquilhagem, essencial para que o filme não tenha envelhecido mal.
 
wolf é um filme adulto com uma abordagem original a um tema batido e cheio de clichés na altura em que saiu; mantém-se um dos meus filmes de lobisomens favoritos.

«««
and it feels good to be a wolf, doesn't it? power without guilt. love without doubt.
»»»
 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...